Compartilhar:

MPF afirma que mensagens são fruto de crime cibernético
O Ministério Público Federal (MPF) no Paraná afirmou ontem que as mensagens, não periciadas, atribuídas a procuradores da Operação Lava Jato e divulgadas pelo site The Intercept Brasil são “oriundas de crimes cibernéticos”. A manifestação foi motivada pela publicação de um áudio e novas mensagens atribuídas pelo site ao procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba. “As supostas mensagens atribuídas a integrantes da força-tarefa são oriundas de crime cibernético e não puderam ter seu contexto e veracidade verificados. Diversas dessas supostas mensagens têm sido usadas, editadas ou descontextualizadas, para embasar falsas acusações que contrastam com a realidade dos fatos”, diz a nota. No início da noite, o The Intercept Brasil divulgou um áudio atribuído a Deltan, no qual o procurador teria comentado com colegas, por meio do aplicativo Telegram, a decisão do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, que proibiu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de conceder entrevistas. A suposta conversa teria ocorrido no dia 28 de setembro de 2018.

A vez da reforma tributária
Com o apoio dos líderes partidários, o Senado apresentará uma proposta de reforma tributária, simplificando e unificando impostos. A proposta incorpora o texto-base do ex-deputado Luiz Carlos Hauly, já aprovado na comissão especial da Câmara. De acordo com o líder do governo no senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), após a aprovação da Reforma da Previdência na Câmara dos Deputados, o governo vai priorizar a desestatização, a simplificação tributária e o pacto federativo.

Vereadores Cassados pelo TRE
O vereador licenciado de Caruaru e atual secretário do governo do estado, Alberes Lopes e o vereador de Petrolina Domingos de Cristália, tiveram seus mandatos cassados pelo Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco. No caso de Alberes, a questão foi a troca de partido. Já no caso do vereador Domingos, a questão levantada foi abuso de poder econômico. Aos dois ainda cabe recurso ao TSE.

TJPE libera obras no Cais José Estelita
O Tribunal de Justiça de Pernambuco julgou improcedentes a ação direta de inconstitucionalidade (Processo n.0001825-04.2018.8.17.0001) ajuizada pelo Ministério Público de Pernambuco contra a Lei Municipal n. 18.138/2015, que regulamenta o Plano Específico para o Cais José Estelita, Santa Rita e Cabanga, por contrariedade ao art. 144 da Constituição Estadual. Segundo a decisão, tomada por unanimidade, foram acolhidos os argumentos da Procuradoria do Município do Recife. Assim, a cidade ganha uma legislação que revaloriza a área, protegendo o patrimônio histórico e impulsionando o desenvolvimento econômico-social.

Compartilhar: