Compartilhar:

O desembargador do TRF-5, Edilson Pereira Nobre Júnior, determinou em despacho, que o afastamento de Lula Cabral deve continuar durante toda a instrução processual, que não tem prazo estabelecido.

A recondução do acusado ao cargo de prefeito do município do Cabo, enquanto não realizada a instrução criminal, incompatibiliza-se com a gravidade dos delitos descritos na peça acusatória e com o princípio da moralidade administrativa, alega o desembargador.

Na semana passada, a defesa de Lula Cabral havia solicitado à Justiça Federal em Pernambuco, em grau de recurso, o fim do seu afastamento, depois do esgotamento do prazo de seis meses inicialmente estabelecido, pelo TRF-5, para o prefeito manter-se longe do poder no município.

Compartilhar: