Por 10 votos a 1, o Supremo Tribunal Federal decidiu suspender nesta quarta-feira (7), a decisão do juiz Paulo Eduardo de Almeida Sorci que autorizava a transferência de Lula para presídio em Tremembé, no interior de São Paulo. A decisão estará válida até que a 2ª turma julgue o pedido de suspeição de Sergio Moro.

Na sessão plenária da corte o relator da Lava Jato, Ministro Edson Fachin, concedeu uma liminar impedindo a transferência do ex-presidente ou, cque ele seja transferido para uma Sala de Estado Maior. O plenário do STF decidiu acompanhar o voto do ministro Fachin, suspendendo a transferência.
Marco Aurélio Mello foi o único a votar de forma contrária à decisão da maioria dos seus colegas, compreendendo que o caso deveria ser analisado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região e não pelo plenário do STF.
O pedido entrou em pauta no plenário após o presidente da Côrte, Dias Toffoli, apresentar petição para que o pedido da defesa do ex-presidente fosse julgado imediatamente. A solicitação da defesa de Lula se dividia em duas partes, o pedido de que o ex-presidente aguardasse em liberdade o julgamento de suspeição de Sergio Moro e que fosse suspensa a transferência de Curitiba para a penitenciária de Tremembé.
A transferência de Lula foi uma solicitação do superintendente da Polícia Federal, Luciano Flores, argumentando que a prisão do ex-presidente no prédio altera a rotina da local.
Mais uma vez, o STF rasga a Constituição Federal, mostrando que a lei nunca é igual para todos…